Dia Mundial de Combate a Cibercensura e os Ativos Digitais

Hoje é o dia mundial de combate a cibercensura. Essa data, criada em 2008 pelas ONGs Repórteres Sem Fronteiras e Anistia Internacional, tem como objetivo lutar pela acesso irrestrito e não censurado à internet, visando sempre a liberdade de expressão no ambiente cibernético.

 Mouse com correntes quebradas

Como surgiu?

Em 12 de março de 2008, uma carta redigida por Jean-François Julliard, Secretário Geral do Repórteres Sem Fronteiras e Larry Cox, Diretor Executivo da Anistia Internacional, foi enviada aos CEOs da Google, Yahoo! e Microsoft solicitando a colaboração para a construção de uma web livre. Desde então, as ONGs enviam relatórios de recomendações para empresas e governos relacionados a liberdade de expressão na internet e listam os países que são consoderados inimigos da liberdade de expressão online, por conta de suas políticas de censura. Dentre eles podemos destacar EUA, Reino Unido, China, Coreia do Norte e Emerados Árabes Unidos. 

Relevância para o mercado cripto

Os grandes veiculadores de anúncios online como Google e Facebook estão barrando a divulgação de conteúdos relacionados a criptomoedas e ICOs. Segundo nota divulgada pelo Facebook em 30 de janeiro:

“Criamos uma nova política que proíbe anúncios que promovam produtos e serviços financeiros freqüentemente associados a práticas de promoção enganosas ou enganosas (…) existem muitas empresas que estão anunciando opções binárias, ICOs e criptomoedas que atualmente não estão funcionando de boa fé”

Mesmo que a empresa reforce que “irá rever essa política” quando tiver melhores critérios de avaliação, essa restrição impediu tanto as empresas mal intencionadas que anunciavam esquemas, quanto empresas que atuavam de maneira idônea, divulgando conteúdos educativos e materiais que poderiam vir a auxiliar os usuários a não serem pegos em fraudes.

Ainda que o Brasil não seja considerado um “país inimigo da internet”, uma medida dessa magnitude pode impactar negativamente todo o ecossistema de ativos digitais insurgente no país.

Ao mesmo tempo, o banimento reacende o debate sobre descentralização da Web, possibilitada por plataformas como a Ethereum, que por meio de seus Contratos Inteligentes nos dá acesso ao novo mundo dos Dapps.

O infográfico abaixo mostra, para cada aplicação da Web 2.0 existente hoje, o seu equivalente na Web  3.0:

Apps 2.0 vs Dapps 3.0

Mesmo que a maioria dessas plataformas estejam em sua fase inicial de desenvolvimento, muitas delas já apresentam alternativas viáveis aos sistemas atuais (principalmente se você é um entusiasta do mundo cripto), com a diferença de que em algumas delas, como a Steemit, você pode ser remunerado pela sua participação na comunidade através da produção de conteúdo de qualidade.

Uma internet melhor e livre de censuras pode ser construída através da descentralização de aplicações web, que só ganharão corpo com o aumento da base de usuários.

Porque não começar por você?

Comentários do Facebook

Deixe uma resposta