Placas de vídeo montadas em um rig de mineração

Guia de mineração de criptomoedas – Parte 1

O QUE É MINERAÇÃO DE CRIPTOMOEDAS?

A primeira vista parece algo mágico, certo? O computador faz uma série de contas matemáticas para aprovar ou rejeitar uma transação, e você é pago por este trabalho. Em alguns casos, novas moedas são criadas para pagar este processo, em outros são pagas unicamente por quem está transferindo as moedas e necessita da aprovação de algum minerador.

Mineração de Criptomoedas

QUAIS AS FORMAS DE SE MINERAR?

Existem 3 modelos de mineração, que variam conforme cada moeda: ASIC (equipamentos criados exclusivamente pra mineração), Scrypt (CPU de computador normal) e GPU (placas de vídeo). Cada modelo traz suas vantagens e desvantagens, com diferentes níveis de investimento/retorno. No meu caso, como já possuía experiência na montagem de micros e fácil acesso a placas de vídeo, optei por este caminho.

QUAL O EQUIPAMENTO NECESSÁRIO?

Para a mineração com GPU (placas de vídeo), você precisa de um PC com 4gb de memória RAM, SSD de 120gb, fonte de 600w, além das placas de vídeo de 4gb com largura de banda acima de 160gb/seg. O ideal é um sistema com no mínimo 4 placas de vídeo, então estamos falando de um investimento de aprox R$ 10.000. Já existem PCs que suportam 12+ placas de vídeo, mas aí o investimento por máquina (conhecida como ‘rig’) passa de R$ 20.000. Além disto, é necessário um ambiente ventilado e/ou refrigerado com internet boa.

Rig de Mineração

É POSSÍVEL MONTAR TUDO SOZINHO?

Não, a não ser que você tenha muita experiência em montagem de computadores. Além do hardware (peças), é necessário fazer atualização no BIOS das placas, configurar o programa de mineração e resolver eventuais conflitos de drivers, etc. Algumas lojas já vendem o equipamento (‘rig’) montado, mas em absolutamente nenhum caso, basta ligar na tomada e esperar o dinheiro cair do céu.

QUAL O RETORNO ESPERADO?

Bom, vamos aos custos: 1 PC (‘rig’) com 4 placas de vídeo + 1 ventilador consome R$ 260 de conta de luz. A potencia (‘hashrate’) é de aprox 110 MH/seg, que se convertem em R$ 700/mês na cotação de hoje. São R$ 440 mensais de retorno (4,4%), o que parece um excelente investimento. No entanto, a depreciação do equipamento é de 2,6% a.m. Outro problema neste cálculo é que além da cotação da moeda variar, a dificuldade de mineração da moeda tambem se altera conforme entram mais mineradores. Ou seja, é um negócio de alto risco.

AFINAL, É OU NÃO VIÁVEL MINERAR NO BRASIL?

Sim, é viável, especialmente se você tiver tarifa de energia diferenciada (ex: uso agrícola). A dificuldade é encontrar as peças, especialmente as placa-mães para 8+ GPUs, cabos/extensores de PCI-e, além de alguém que saiba configurar e fazer os updates necessários. Vale lembrar que se o valor das moedas cair 30% e a dificuldade de mineração subir 20%, a rentabilidade que encontramos de 4,4% cai pra 2,2%, que fica abaixo do custo de depreciação do equipamento. Ou seja, não deixa de ser uma aposta.

Comentários do Facebook

Deixe uma resposta