jornalista

Criptomoeda do Wall Street Journal é interrompida

Como foi revelado em um mini documentário nesta quarta-feira, o Wall Street Journal (WSJ) criou e depois destruiu sua própria criptomoeda em uma tentativa de “entender” a indústria.

Com a moeda WSJ Coin, o jornalista Steven Russolillo esperava que pudesse lançar luz sobre a emergente economia de cripto, ao mesmo tempo em que fornecia casos reais de uso para o setor de jornalismo, a moeda alcançou o total de duas unidades emitidas.

Em Hong Kong, cerca de 150 moedas físicas do WSJ foram distribuídas para o público de um painel que discutiu o conceito na publicação D.Live anual de tecnologia. Onde estavam a CEO de serviços de remessa da BitPesa, Elizabeth Rossiello, e o ex CTO da Ripple, Stefan Thomas, ambos viram um potencial considerável em um ativo de cripto baseado em jornalismo.

“Se você diminuir o custo de movimentar dinheiro, toda a economia muda… Como eu pago por um artigo de notícias on-line?, muda”, exemplificou Thomas.

A Russolillo se juntou ao desenvolvedor japonês Makuto Takemiya para usar o blockchain Iroha do Hyperledger como base para a WSJ Coin. Os dois fixaram uma oferta de 8,4 bilhões de unidades, número que eles chegaram pela média da oferta das dez principais criptomoedas por capitalização de mercado.

Quando Russolillo lançou uma emissão completa para os investidores, foi o próprio chefe de ética do WSJ, Neil Lipschitz, quem fechou o esquema. Ele disse que a WSJ Coin levantou o que Russolillo diz ser “questões éticas”.

“Não pretendemos entrar no mundo das criptomoedas; Estamos aqui para relatá-lo e explicá-lo, assim como fazemos com bancos, mas não abrimos um banco”, disse Neil, e acrescentou “Não vamos criar uma moeda”.

A agência de notícias Associated Press, assinou no final de agosto uma parceria de conteúdo licenciado com a startup de blockchain Civil, com o intuito de explorar maneiras de garantir os direitos de propriedade intelectual, apoiar o jornalismo ético e rastrear o uso do conteúdo através da tecnologia blockchain.

 

Leia Também: E-book INÉDITO de Ethereum (ETH) da corretora FlowBTC

FlowBTC

Comprar e vender Bitcoin, Ether, Bitcoin Cash e Litecoin é na FlowBTC. A FlowBTC é a plataforma mais segura e rápida do Brasil, com 3 anos de existência, nunca saiu do ar e nem foi hackeada. Além disso, é a única corretora brasileira que faz parte da Enterprise Ethereum Alliance. Não fique de fora da nova economia digital, abra já sua conta em https://www.flowbtc.com.br/

Quer ficar por dentro de mais conteúdo? Siga o BrBitcoin nas redes sociais:

Comentários do Facebook

Deixe uma resposta